A Vigilância Sanitária de Ilha Solteira divulgou nesta semana que foi registrado apenas 01 caso de dengue e nenhum caso de H1N1 mas alerta a população sobre o controle do Aedes Aegpity.

Embora os números de casos positivos de dengue vem diminuindo consideravelmente nos últimos anos em Ilha Solteira a pesquisa de ADL – Avaliação de Densidade Larvária realizada durante o mês de abril/2018 indicou um aumento, 2.3%, do número de criadouros do Aa., encontrados nos imóveis pesquisados no município.

Essa mesma pesquisa realizada pelos agentes de saúde da equipe de Controle de Endemias no mês de janeiro, o índice registrado foi de 1.9%. Isto significa que em janeiro, em cada 100 imóveis da cidade, dois deles, possuíam criadouros do mosquito Aedes aegypti, agora em abril, arredondando, são os mesmos dois criadouros mas com uma tendência de alta. Estes números preocupam, pois estamos entrando numa estação de estiagem.

Os índices acima de 01 e até 3,9 são considerados como situação de alerta. Já superiores a 4, são tidos como risco de epidemia, segundo a OMS.

A dengue é transmitida pela picada da fêmea do mosquito Aedes aegypti infectada com o vírus. A principal medida é eliminar os criadouros do mosquito. O Aa. também transmite a febre chikungunya, a febre amarela urbana, zika vírus e doenças associadas: microcefalia e síndrome de Guillain-Barret.