CAMUNDONGO - São animais curiosos e podem penetrar em 20 a 30 locais por noite em busca de alimento, trazendo sérios problemas de contaminação de alimentos, além de dificultar o seu controle por raticidas. Seu raio de ação é pequeno, raramente ultrapassando os 3 m. Camundongos costumam fazer seus ninhos no fundo de gavetas e armários, no interior de estufas de fogões e em quintais onde são criados animais domésticos.

RATO DE TELHADO - Por ser uma espécie arvícola, os ratos de telhado ainda cultivam o hábito de viver usualmente nas superfícies altas das construções, em forros, telhados e sótãos onde constroem seus ninhos, descendo ao solo em busca de alimento e água. Vivem em colônias de indivíduos com laços parentais. Seu raio de ação tende a ser maior que o da ratazana, devido à sua habilidade em escalar e à facilidade com que anda sobre fios, cabos, galhos, etc.

RATAZANA - Vive em colônias. É uma espécie de hábito fossorial, seu abrigo preferencial fica abaixo do nível do solo. Com o auxílio de suas patas e dentes, as ratazanas cavam ativamente tocas e/ou ninheiras no chão, formando galerias que causam danos às estruturas locais. Encontram-se facilmente em galerias de esgotos e águas pluviais. Podem, também, construir ninhos no interior de estruturas, em locais pouco movimentados.

Como Prevenir 

  • Guarde alimentos em recipientes fechados. Evite deixar louças e panelas com alimentos na pia durante a noite;
  • Armazene o lixo em sacos plásticos, dentro de recipiente elevado do solo (suporte p/ lixo);
  • Disponha o lixo próximo à hora da Coleta Pública;
  • Conserve limpo e nunca jogue lixo em terrenos baldios;
  • Evite acumular restos de material de construção, madeiras e recicláveis no quintal;
  • Retire água e alimentos dos animais de estimação no período noturno;
  • Vede buracos na parede, lacre caixas de gordura, caixas de inspeção e ralos. Dê preferência por ralos do tipo “abre-e-fecha”;
  • Caso encontre ratos mortos, proteja as mãos com sacos plásticos antes de retirá-los;
  • Evite contato pessoal ou contaminação de alimentos com água de enchentes.

A vida média de um rato é de um a dois anos. A partir do terceiro mês de vida já pode procriar, sendo que o tempo de gestação varia de 19 a 22 dias e o número de filhotes por cria é de 03 a 12 na dependência da oferta de ÁGUA, ABRIGO E ALIMENTO.

O controle de roedores deve basear-se na constatação simples e objetiva de que a proliferação destes animais ocorre porque o homem, e a sociedade como está organizada, fornecem, de forma abundante, o que os roedores necessitam para sobreviver: alimento, água e abrigo proporcionando conseqüentemente, um desequilíbrio populacional destes animais gerando prejuízos econômicos e a transmissão de graves doenças ao homem e aos animais domésticos ou de criação.

Características dos ratos

Comem vários tipos de alimentos como restos de comida, frutos, sementes, cereais; preferem alimentos frescos, não estragados;

Têm hábitos noturnos e vivem em colônias;

As fêmeas entram no cio 48 horas após o parto;

Possui dentes incisivos proeminentes que crescem continuamente, daí a necessidade de roer. Dessa forma estragam muito mais alimentos do que necessitam.

Como reconhecer a presença de ratos?

FEZES: Resíduos nos cantos, em esconderijos escuros e próximos de alimentos. 

URINA: Manchas no piso, sacarias, caixas e pacotes empilhados, odor forte e característico. 

ROEDURAS: Em muros, paredes, porões, frestas, forros, pilhas de madeira, armários, portas, fios elétricos, sacos de lixo, utensílios domésticos. 

MANCHAS DE GORDURA: O pelo do rato tem uma gordura que mancha os locais onde passa (rodapés, paredes, beirais).

Principais doenças transmitidas

LEPTOSPIROSE: Transmitida pela urina dos ratos. Sintomas: Febre, dor de cabeça, fraquezas e dores musculares principalmente na “barriga” das pernas. 

HANTAVIROSE: Transmitida quando se respira o ar de lugares contaminados com o vírus. Roedores silvestres são os reservatórios. Sintomas: Febre, dor de cabeça, náuseas, vômito, diarréia, cansaço, dor muscular e falta de ar.

Procure o posto de saúde mais próximo caso apresente estes sintomas

GRUPO TÉCNICO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - Rua Cristalina, nº. 130 – tel: 3743-6082.